Em uma escola da Alemanha, alunos tem de escolher entre duas disciplinas eletivas, uma sobre anarquia e a outra sobre autocracia. O professor Rainer Wenger (Jürgen Vogel) é colocado para dar aulas sobre autocracia, mesmo sendo contra sua vontade. Após alguns minutos da primeira aula, ele decide, para exemplificar melhor aos alunos, formar um governo fascista dentro da sala de aula. Eles dão o nome de "A Onda" ao movimento, e escolhem um uniforme e até mesmo uma saudação. Só que o professor acaba perdendo o controle da situação, e os alunos começam a propagar "A Onda" pela cidade, tornando o projeto da escola um movimento real. Quando as coisas começam a ficar sérias e fanáticas demais, Wenger tenta acabar com "A Onda", mas aí já é tarde demais.

"O filme é impactante, tem um ótimo enredo e um bom ritmo. Ele nos mostra como poderia ocorrer o inicio de uma manipulação em massa e até aonde isso poderia levar. A mensagem no decorrer do filme consegue enaltecer as qualidades que poderiam decorrer de um regime ditador e vai sucumbindo até suas piores consequências." 

É com grande entusiasmo que venho aqui comentar esse filme, pois ele é um incentivo e ao mesmo tempo um alerta a nós professores. De como nós podemos influenciar nossos alunos, tanto para o bem, quanto para o mal e também como nossa aula pode levar consequências para fora dos muros da escola. 

O professor teve uma ótima idéia no filme, tentar ensinar na prática a seus alunos como seria uma ditadura (autocracia), porém os alunos gostaram tanto da força comunitária de tudo aquilo que espalharam o movimento por toda cidade. Gerando muitas consequências ruins para as pessoas proxímas e distantes. 

Por isso convido você professor a assistir esse filme e depois reflexionar sobre suas atitudes, projetos e planos para a escola. Não estou dizendo que não se deve criar projetos diferenciados para a escola, estou apenas querendo relevar o sentido e as regras que devem ser seguidas para que não se ultrapassem limites.


Curiosidades sobre A Onda

Baseado no romance "The Wave" de Todd Strasser (sob o pseudônimo de Morton Rhue), uma história de ficção, mas que foi baseada em fatos reais. Em abril de 1967, em uma escola de ensino médio em Palo Alto, na Califórinia, o professor Ron Jones fez o experimento mostrado no filme com os seus alunos, e o chamou de "Third Wave".Ron Jones na première

Ron Jones, o inventor do projeto original, apareceu na première mundial do filme, no Festival Sundance.


A peça que os estudantes estão repetindo no filme é de Friedrich Durenmatt. Nessa peça, uma senhora é exilada de sua cidade pelos moradores, e volta alguns anos depois, quando ela perde seu marido, e herda dele sua fortuna. Ela consegue sua vingança ao liderar um grupo de pessoas para matar o seu antigo amor que não a ajudou quando ela estava sendo mandada embora da cidade. Um dos temas dessa peça é de como as pessoas perdem sua personalidade em um grupo. Uma clara alusão ao que acontece na sala de aula do professor, que mostra como é fácil perder a personalidade dentro de um grupo

O filme foi parcialmente inspirado no avô de Gansel, que contou que eles dois brigavam muito porque o avô costumava dizer pra ele que era um apoiador do governo nazista quando esse estava no poder. Só que antes do regime nazista, o avô de Gansel tinha outras ambições e queria se tornar um artista. Foi aí que Gansel entendeu que a alma do fascismo estava apoiada na sedução e na psicologia, e por isso muitas pessoas acabaram envolvidas no regime totalitário. Esse é o tema central do filme.


Bom filme ! E não esqueça de dizer se gostou da postagem !