Embora 94% dos pais entrevistados tenham admitido que o filho fosse obeso ou que estivesse com sobrepeso, eles disseram que encontravam dificuldades para ajudar na mudança de seu comportamento para conseguir controlar o peso.

O estudo revelou que os pais achavam mais fácil ajudar seus filhos a comer alimentos mais saudáveis do que incentivá-los a fazer mais exercícios todos os dias.

“A pesquisa mostrou que quase 62% dos pais relataram que estavam tomando medidas para melhorar a dieta de seus filhos, aumentando a ingestão de frutas e legumes e reduzindo o fast food, os doces e os lanches. Mas apenas 41% dos pais disseram estar ajudando a criança a aumentar seu nível de atividade física, como caminhar, dançar ou praticar esportes diariamente”, diz o médico.

A discrepância entre a prontidão dos pais para fazer mudanças nas dietas de seus filhos em comparação com os níveis de atividade física foi surpreendente. Os pesquisadores disseram que não está claro por que os pais se sentiam menos confortáveis para incentivar um estilo de vida mais ativo em seus filhos com excesso de peso. Eles sugeriram algumas possíveis razões: barreiras financeiras, o próprio sedentarismo dos pais e o receio dos pais sobre a capacidade de seus filhos, com excesso de peso, de realizar atividades físicas com segurança.

Os resultados mostraram, também, que os pais pareciam mais dispostos a fazer mudanças nos níveis de atividade física de seus filhos quando esses eram mais jovens. Já na adolescência, essa tarefa tornou-se cada vez mais difícil. “Para superar o problema da obesidade infantil, precisamos incentivar bons hábitos alimentares e a prática de atividades físicas nas crianças quando elas são mais novinhas. Nós, pediatras, precisamos fazer um trabalho de convencimento dos pais sobre o ganho de peso na infância e os perigos do sedentarismo”, afirma Moises Chencinski.

Minha opinião:
Realmente é muito importante o controle da alimentação, para impedir que chegue ao ponto da obesidade. Porém sem o incentivo, principalmente dos pais ou amigos, para uma atividade física dificilmente a criança ao se tornar adolescente continuará com o hábito. O ideal seria frequentar um clube no período contrário aos estudos para praticar pelo menos 1 hora de atividade física por dia, podendo ser uma caminhada, uma corrida ou um treino esportivo.

Matéria publicada pelo site Jornal Minas 
Fonte: Portal da Educação Física